publicidade

Arte e literatura solidificaram a 1ª Festa Literária de Teixeira de Freitas

Os escritores Enelita Freitas, Erivan Santana e Eliza Metzker recitando um dos seus poemas durante a última mesa temática da 1ª FLITEF.

A primeira edição da Feira Literária de Teixeira de Freitas, encerrou-se na noite desta sexta-feira (10) e foi considerada um ‘sucesso’, segundo os organizadores do evento. A 1ª Festa Literária de Teixeira de Freitas (FLITEF), aconteceu ontem e hoje, 09 e 10 de novembro, nos espaços do Colégio da Polícia Militar Anísio Teixeira, na Avenida das Nações, no bairro Monte Castelo. A 1ª FLITEF foi promovida pela SEC – Secretaria Estadual de Educação da Bahia com apoio do Governo do Estado e da Fundação Pedro Calmon. A realização local ficou por conta do NTE 07 – Núcleo Territorial de Educação, CAM – Coletivo das Artes Motirô, ATL – Academia Teixeirense de Letras, UNEB – Universidade do Estado da Bahia e UFSB – Universidade Federal do Sul da Bahia.

A Festa Literária durou dois dias e trouxe o tema: “Bicentenário da Independência do Brasil na Bahia – Resistência Afro-indígena no Extremo Sul”, onde contou com diferentes manifestações culturais e artísticas, como recitais de poesia, apresentações de música, dança, teatro, oficinas, lançamentos de livros, contação de histórias, sarau, shows com artistas regionais, encontro com escritores, plenárias, rodas de conversa, convidados especiais, palestras e exposições de artes visuais. Os organizadores já pensam na próxima edição em 2024. Os alunos da rede municipal e da rede estadual de ensino teixeirenses marcaram presença em todas as agendas da programação cultural. A estimativa dos organizadores contabiliza que 10 mil pessoas estiveram na feira literária.

A programação de encerramento nesta noite no auditório do CPM, culminou com a mesa temática, com o tema: “O escritor e sua importância para a história e a cultura local”, com a participação dos escritores Erivan Santana, Enelita Freitas e Eliza Maria da Silva Metzker. Ainda na noite da quinta-feira a mesa temática com o tema: “Bicentenário e resistência afro-indígena no extremo sul da Bahia, com Nahíma Costa Castro Silva “Nahíma Pataxó”, Gilsineth Joaquim Santos Silva, com mediação de Tamires Pereira, marcou o encerramento do primeiro dia do evento, que em celebração ao 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, quando se debateu sobre o ensino da história e cultura afro-brasileira nas escolas com a finalidade de auxiliar no processo de reeducação e consequente mudança do quadro de desigualdades raciais e de conflitos nas relações raciais na sociedade.

A 1ª Festa Literária de Teixeira de Freitas teve como principal objetivo propagar a produção literária, incentivando a leitura e valorizando a cultura regional. Para alcançar esse propósito, o evento contou com mesas de debates, palestras, lançamentos de livros, saraus de poesia, atividades lúdicas e musicais. A programação infantil também foi um destaque, incluindo sessões de contação de histórias. A FLITEF aglutinou inúmeras atividades que provocaram a necessária reflexão sobre os enormes desafios ainda existentes, para a promoção da justiça e igualdade racial. Em paralelo, inúmeros autores trouxeram importantes títulos e participaram dos diálogos promovidos pela Feira Literária. E ainda, exposições e atividades artísticas poéticas e musicais, compuseram a programação da 1ª FLITEF.

Segundo a professora Maria Dias Assunção, diretora do NTE 07 – Núcleo Territorial de Educação de Teixeira de Freitas, o evento superou as expectativas de público e foi considerado um sucesso pela organização. “A sensação é de missão cumprida. A 1ª Festa Literária foi um sucesso, considerando todas as atipicidades culturais para o gênero do evento na região. Recebemos a visita de alunos de todas as escolas estaduais e municipais. Foi um evento que veio para ficar na história e na memória das nossas crianças, adolescentes, jovens e educadores. Ela veio para acrescentar na educação, garantir que as nossas crianças criem esse hábito da leitura para Teixeira de Freitas ter um futuro mais bonito”, salientou a diretora Maria Assunção.

O presidente da ATL – Academia Teixeirense de Letras, o advogado e escritor Raimundo Magalhães, que também é professor e coronel da reserva da Polícia Militar do Estado da Bahia, demonstrou-se entusiasmado com a realização do evento e disse que as experiências trocadas foram únicas, permeadas pela literatura numa interlocução constante com arte e protagonismo. “Pudemos observar que durante estes dois dias propagamos vivências sensíveis, originais, colaborativas, alegres e informais. Promovemos encontros singulares e inusitados entre os livros e o público, a fim de que a literatura pudesse sempre ser saboreada em todas as faixas etárias, dadas as emoções e reflexões que a experiência vivida possibilitou a todos os visitantes e expositores. A qualidade e unidade dos trabalhos e interações foi excelente e o envolvimento dos alunos foi essencial para o sucesso da 1ª Festa Literária de Teixeira de Freitas”, salientou o presidente da ATL, Raimundo Magalhães.

Com o incentivo do Governo da Bahia, o evento literário vem sendo realizado em várias cidades do Estado e servem de vitrine para escritores anônimos, regionais, iniciantes e para que os estudantes da rede estadual possam mostrar os seus talentos e suas habilidades, através das apresentações de suas produções literárias, artísticas e culturais. A 1ª Festa Literária de Teixeira de Freitas encerrou na noite desta sexta-feira (10), com uma mesa temática, intitulada: “O escritor e sua importância para a história e a cultura local”, no auditório do Colégio da Polícia Militar Anísio Teixeira, com a presença dos escritores Erivan Santana, 1º secretário da mesa diretora e titular da Cadeira nº 36 da Academia Teixeirense de Letras; Enelita Freitas, professora, autora de livros infantis e titular da Cadeira nº 37 da ATL; e a jovem professora e poeta Eliza Maria da Silva Metzker, uma das grandes revelações da nossa literatura regional contemporânea.

Ainda no enceramento da 1ª Festa Literária de Teixeira de Freitas fizeram parte da programação, o presidente Raimundo Magalhães, titular da Cadeira nº 13 da ATL; o ex-presidente e titular da Cadeira nº 02 da ATL, o jornalista e escritor Athylla Borborema que autografou os seus dois últimos livros “1500 – O Brasil a Partir da Foz do Rio Cahy” e “Tem Alguém mais Gato do que Eu?”; a poeta Isa Germano, do Colégio Estadual Henrique Brito de Teixeira de Freitas que recitou uma das suas poesias numa mágica apresentação, prestigiados por um público formado por educadores e estudantes.

publicidade